quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

O PEDIDO


Bom, como minha noiva blogueira esta viajando, o post de hoje ficou por minha conta. 

Se me pedirem pra escrever um texto lógico-argumentativo, não me aperto nem um pouco, mas receber a tarefa de escrever um texto divertido e gostoso de ler como os demais post´s: nossa, me vi numa sinuca de bico. 

Depois de me descabelar todo, puxando os cabelos para tentar puxar para fora da cachola uma idéia de assunto interessante, resolvi escrever sobre algo que tive que planejar quase sozinho. 

Toda mulher sonha com o momento em que vai ser pedida em casamento. Mas a responsabilidade toda por alcançar essa expectativa, recai sobre quem? O Noivo!! 

É muita responsabilidade para um reles mortal! 

No meu caso, optei por um momento íntimo, um momento a dois, onde nossos olhares obrigatoriamente ficariam entrelaçados. 

Ai, nada melhor do que durante um programa bem nosso, num lugar que adorassemos. A escolha ficou óbvia: um jantar cujo cardápio foi delegado ao chef Frederico França – nosso amigo e responsável eleito para as aventuras gastronômicas! O local, o restaurante do Hotel Weiand, onde ele comanda a melhor brigada de cozinha da cidade. 

Ainda era necessário mais um pequeno, mas fundamental detalhe: as alianças! 

Mas, como descobrir o tamanho exato do dedo da minha escolhida! Bom, nesse ponto tive que contar com a ajudinha da grande amiga Daiane Dalcin. Por incrível que pareça, a desculpa fajuta de que a sogrinha e sogrinho iriam presentear-la com um anel de formatura colou. 

Com as alianças na mão, parti para a segunda parte do plano. Depois de tudo esquematizado com o staff do restaurante, o convite para jantar passou despercebido, como um programinha normal. 

Deixei a surpresa para a sobremesa, um delicioso sorvete de queijo com calda de goiabada. O clássico e romântico Romeu e Julieta. Ao levantar do cloche, uma avalanche de emoções. Para mim, um alívio, pois o sorriso e o brilho dos olhos denunciava um aceite! Após o entrelaçamento dos olhares inicial, o susto e nervosismo fez a dona desse blog desandar a falar sem parar, dando-se conta das várias armações que culminaram naquele momento, e que, até então, haviam passado desapercebidas. 

Dali em diante, bom, esse momento é só nosso (e de todas as amigas para as quais a Josi já contou, afinal de contas, ela é mulher :-s). 

Espero que essa história dê um incentivo praqueles que precisam de um empurãozinho para dar o primeiro passo do resto das suas vidas. 

Alex


P.S.: Praqueles que precisam de um incentivo mais forte, podem acessar ótimas idéias no YouTube: 








2 comentários:

  1. Mas ahhhh dindinho, te puxou hein...Adorei!!

    ResponderExcluir
  2. Mas ahhh dindinho...te puxou, já pode escrever mais vezes, hehehe...Beijos!

    ResponderExcluir